AnálisesEspecial

TRADUZIDO DE: @SwissRamble (https://twitter.com/SwissRamble)

Inúmeros torcedores do Manchester United se reuniram em Old Trafford horas antes do maior clássico inglês para expressar seu renovado descontentamento com os Glazers após seu envolvimento nas propostas fracassadas da Super Liga Europeia, mas afinal porque não existe mais espaço para os Glazer no Manchester United?

Os Glazers assumiram o Manchester United em junho de 2005 por meio de uma compra alavancada de £550 milhões, então sua primeira temporada completa no controle foi 2005/06. Portanto, esta revisão analisará as 15 temporadas desde então, até 2019/20.

Nos últimos 15 anos o United gerou uma receita impressionante de £5,9 bilhões, mas tiveram £5,4 bilhões de despesas (incluindo £ 2,9 bilhões de salários e £ 1 bilhão de amortização de jogadores), levando a £467 milhões de lucro operacional. Isso foi impulsionado por um lucro de £257 milhões nas vendas de jogadores, mas £817 milhões de juros significaram uma perda de £92 milhões.

Muitos torcedores agora estão familiarizados com a conta de lucros e perdas, mas precisamos explorar a demonstração do fluxo de caixa para entender completamente como o United passou sobre o comando dos Glazers – e quanto dinheiro eles tiraram do clube.

O lucro operacional do United de £ 467 milhões foi melhorado para £ 2,0 bilhões de fluxo de caixa operacional por meio de dois ajustes: (a) adição de itens não monetários, como amortização de jogadores, depreciação e imparidade de £ 1,3 bilhão; (b) movimentos no capital de giro £ 210 milhões.

A amortização do jogador é uma despesa não monetária, portanto, é adicionada de volta para o cálculo do fluxo de caixa. Da mesma forma, o lucro nas vendas dos jogadores é puramente contábil, que é contabilizado no total, independentemente de quando o clube é pago. Em vez disso, o fluxo de caixa inclui vendas e compras em dinheiro.

O capital de giro mede a liquidez de curto prazo, definida como o ativo circulante menos o passivo circulante. Mudanças no capital de giro podem fazer com que o fluxo de caixa operacional seja diferente do lucro líquido, já que os clubes contabilizam receitas e despesas quando elas ocorrem, em vez de quando o dinheiro realmente muda de mãos.

Se o passivo circulante aumentar, um clube está pagando seus fornecedores mais lentamente, então está segurando o dinheiro (positivo para o fluxo de caixa). Por outro lado, se os devedores de um clube aumentam, significa que ele arrecadou menos dinheiro dos clientes do que contabilizou como receita (negativo para fluxo de caixa).

United teve £ 1,0 bilhão de gastos líquidos com os jogadores (compras £ 1,4 bilhão, £ 0,4 bilhão de vendas), mas gastou quase o mesmo (£ 704 milhões) em juros sobre os empréstimos contraídos pelos Glazers. Apenas £ 185 milhões foram gastos em infraestrutura (estádio e campo de treinamento). O fluxo de caixa antes do financiamento foi, portanto, de £ 57 milhões.

United também gastou £ 244 milhões em reembolsos de empréstimos e £ 125 milhões em dividendos, parcialmente financiados por £ 299 milhões de várias emissões de ações (líquido de aquisição de subsidiárias). Como resultado, o clube acabou com uma saída de caixa líquido de £ 14 milhões.

Os torcedores estarão dolorosamente cientes de que seu clube pagou grandes quantias pelo privilégio de ter os Glazers como proprietários. Desde a compra alavancada, eles gastaram £ 1,1 bilhão em financiamento: £ 704 milhões de juros, £ 244 milhões de pagamentos de dívidas e £ 125 milhões de dividendos. Em média, £ 42 milhões nos últimos 5 anos.

O custo de £ 1,1 bilhão de financiamento da propriedade dos Glazers é “apenas” 16% de despesas do United de £ 6,8 bilhões desde junho de 2005, mas é uma soma enorme. É mais de £ 1,0 bilhão gasto (líquido) com jogadores e poderia ter sido gasto para melhorar o time (ou mesmo o cada vez mais pobre Old Trafford).

Os defensores dos Glazers apontarão sua perspicácia comercial, na crença de que o crescimento da receita do United de alguma forma justificou o fato de que o clube (até o momento) teve de desembolsar mais de um bilhão de libras para financiar a aquisição, mas será mesmo esse o caso?

Certamente é verdade que a receita do United quase triplicou com os Glazers, aumentando £ 336 milhões de £ 173 milhões para £ 509 milhões, mas é importante notar que dois clubes os ultrapassaram neste período, nomeadamente City e Liverpool, que cresceram £ 417 milhões e £ 370 milhões, respectivamente.

Claro, o comercial tem sido o motor para o crescimento do United, aumentando £ 224 milhões de £ 55 milhões para £ 279 milhões, mas vale a pena notar que houve crescimento zero nos últimos 4 anos (e o novo negócio da TeamViewer vale muito menos do que a Chevrolet).

A receita de transmissão triplicou de £ 46 milhões para £ 140 milhões, mas o crescimento de £ 94 milhões é menor do que £166 mi do City, £152 mi do Liverpool, £130 mi do Chelsea e £107 mi do Tottenham, o que reflete a falta de sucesso em campo, principalmente nas competições europeias. Todos os clubes foram fortemente impactados pela COVID em 2020.

Da mesma forma, o aumento de £ 18 milhões na receita do dia do jogo do United que foi de £ 72 milhões a £ 90 milhões é menor do que o crescimento de quatro outros membros do Big Six, já que outros investiram em mudanças ou expansão de estádios: £ 77mi no Tottenham, £ 38mi Liverpool, £ 35mi no Arsenal e £ 26mi no City. Na verdade, o Spurs ultrapassou o United em 2020.

Mesmo assim, o United permaneceu uma potência financeira. Eles geraram uma receita de £ 5 bilhões desde 2010, que é de longe a maior na Premier League, em torno de £ 1,1 bilhão à frente de City (£ 3,9 bilhões), seguido por Chelsea (£ 3,6 bilhões), Arsenal (£ 3,5 bilhões), Liverpool (£ 3,4 bilhões) e Tottenham (£ 2,7 bilhões).
Apesar de ter de longe a maior receita neste período, a folha de pagamento do United (£ 2,4 bilhões) desde 2010 foi inferior a do City (£ 2,5 bilhões), embora ainda à frente de Chelsea (£ 2,3 bilhões), Liverpool (£ 2,1 bilhões), Arsenal (£ 2,0 bilhões) e Tottenham (£ 1,3 bilhão). Com base nisso, a equipe deveria ter se apresentado melhor em campo.
Fora do campo, United é uma verdadeira máquina de dinheiro, já que seu fluxo de caixa operacional de £ 1,6 bilhão está milhas à frente de seus rivais: Tottenham (£ 1,1 bilhão), Arsenal (£ 888m), Liverpool (£ 609m) e City £ 505m. O modelo de negócios do Chelsea se concentra mais na negociação de jogadores, então eles estão de volta com £ 145 milhões.

Este fluxo de caixa operacional de £ 1,6 bilhão é o que estava disponível para o United gastar na compra de jogadores ou no investimento em infraestrutura (estádio ou campo de treinamento), mas veremos que grande parte foi destinada ao pagamento de juros, empréstimos e dividendos.

Dito isto, United gastou US $ 1,3 bilhão em compras de jogadores desde 2010. Isso foi superado por City (£ 1,6 bilhão) e Chelsea (£ 1,3 bilhão), mas ainda é muito mais do que gastaram Liverpool (£ 1,0 bilhão), Arsenal (£ 800m) e Tottenham (£ 651m).
Muitos clubes ganham um bom dinheiro com a venda de jogadores, mas o United entregou apenas £ 291 milhões da atividade nos últimos 11 anos, significativamente menos do que Chelsea (£ 707m) e Liverpool (£ 552m). Isso não é apenas menor do que o resto do Big Six, mas também pior do que Everton e os Saints.
Consequentemente, o gasto líquido de £ 1,0 bilhão do United no mercado de transferências é o segundo maior na Premier League desde 2010, atrás apenas de seus vizinhos City (£ 1,1 bilhão), com uma diferença substancial para o terceiro clube colocado Chelsea (£ 641m).
United gastou apenas £ 118 milhões em infraestrutura nos últimos 11 anos. Obviamente, é menor do que o £ 1,4 bilhões gastos pelo Tottenham (novo estádio e campo de treinamento), mas também é mais baixo do que City (£ 378m), Liverpool (£ 238m), Brighton (£ 181m) e Arsenal (£ 132m), onde os proprietários investiram no futuro.
Não será nenhuma surpresa ver que os proprietários de City e Chelsea forneceram um financiamento substancial, £ 1,1 bilhão e £ 570 milhões, respectivamente, desde 2010, mas os £ 297 milhões do United também ficou atrás de Aston Villa, Everton, Brighton e Leicester. Além disso, o dinheiro do United vem de emissões de ações, então não é realmente dos Glazers.
Onde o Unites está em uma liga própria em termos de pagamentos de juros, que somam impressionantes meio bilhão de libras desde 2010, mais do que todos os outros clubes da Premier League juntos. O próximo mais alto é o Arsenal, cujos £ 140 milhões são insignificantes em comparação com o United.
Se você acha que o pagamento de juros é ruim, espere até ver os dividendos. Os £ 122 milhões do United (cerca de £ 23 milhões por ano em 2020) é novamente de longe o mais alto. Na verdade, eles são o único clube da Premier League atualmente pagando dividendos, pois WBA e Ledds fizeram pagamentos únicos.
Se isso não for o suficiente, United também teve que pagar outro quarto de bilhão de libras em amortizações de empréstimos desde 2010, novamente o mais alto na Premier League, antes de Arsenal (£ 211 milhões – e os Gunners têm um novo estádio para mostrar) e do Tottenham (£ 756 milhões que são principalmente para financiar seu novo terreno).

Você esperaria que após o pagamento do empréstimo a dívida do United teria reduzido, mas permaneceu em torno de £ 500 milhões nos últimos anos. Caiu de um pico de 773 milhões de libras em 2010 depois que os empréstimos PIK (taxa de juros de 16,25%) foram pagos, mas o clube não tinha dívidas com os Glazers.

A dura realidade é que depois de toda a engenharia financeira dos Glazers, o United ainda tem uma dívida de £ 526 milhões, que é a segunda maior da Premier League, apenas “superada” pelo Tottenham (£ 831m). Portanto, o esgotamento dos recursos do clube continuará em um futuro previsível.

Não está claro se os protestos vão persuadir os Glazers a vender o clube, mas a frustração dos torcedores com os proprietários é eminentemente compreensível, e a reação esmagadoramente negativa à Superliga pode apenas fazer com que parem para pensar.

Todas informações foram tiradas e traduzidas do Swiss Ramble (@SwissRamble).

Comentários