Colunas

Eu amo ser brasileiro. Por vários motivos, o primeiro deles é; eu só fui brasileiro a minha vida toda, não sei ser americano, francês ou inglês. Embora sempre me transforme bastante, uma certeza eu tenho diante da vida.

Serei brasileiro até depois de morto.

Falo português fluentemente desde os meus dois anos de idade. Meus primeiros contatos com o mundo foram nesta língua. Carrego nas minhas formas de ver o cotidiano a cultura ( ou uma variante da cultura) brasileira.

Sou de um povo alegre. Mas que também é triste. Porque apenas sendo muito débil pra ficar rindo de qualquer assunto. Entendo  a vastidão do nosso território, possuímos várias etnias e torcemos por diversos clubes de futebol.

Compreendo o sentimento de alguns torcedores mais regionalistas. Estes querem que cada torcedor incentive apenas o time de sua região, estado, país. Apesar de eu respeitar a opinião deles, estou sinceramente pouco me importando.

Um clube de futebol nunca será grande se permanecer apenas em sua região. O que seria do Flamengo sem a massa de torcedores do nordeste? Aliás. O que seria do futebol brasileiro se não fossem os jogadores que mudaram de estado durante a carreira?

Rivaldo não teria aparecido no Palmeiras. Ronaldo no Cruzeiro. Ronaldinho Gaúcho no Atlético Mineiro. Estes mesmos torcedores aceitam diversas origens em seus campos, mas não querem aceitar em suas arquibancadas.

Pois bem. Para ir ainda adiante eu resolvi torcer por além de um clube brasileiro, um  inglês.

Eu e mais brasileiros somos nas alegrias e tristezas, Manchester United, ueba!

São centenas de pessoas, homens, mulheres, crianças, natos desta pátria que decidiram apoiar os reds. A tevê nos compreendeu  e transmite os jogos com narradores e comentaristas em português. As lojas vendem materiais do Manchester United. A tendência é  aumentar nossa arquibancada de brasileiros apaixonados por este clube.

Se existe alguém incomodado por gostarmos de um clube de outro país. Respeitamos, claro. Principalmente se não mais usar nada que seja de outra nação, se não aceitar patrocinadores estrangeiros em seu clube, se defenderem esta ideia com honestidade intelectual.

Agora, se a intenção é apenas encher e nos taxar de alienados, perdão, perdão, meu amigo. Recordo emocionado esta informação.

Eu torço para o clube que eu quiser, do lugar que eu bem entender. Porque são clubes de futebol, não de geografia.

Por Alan Lima
www.mufcbr.com

Comentários