Pré-Jogo

Pelas oitavas-de-final da UEFA Champions League, mais uma vez, o Manchester United e o Moyes quebraram todas as expectativas, ou qualquer ameaça de favoritismo. Jogando no estádio Karaiskakis e diante de uma torcida quente, os pouco mais de 30 mil torcedores comemoraram a primeira vitória do Olympiacos em um jogo de mata-mata na Champions. Também foi a primeira derrota do United para um time grego na competição.

O jogo

A fase pode ser terrível, mas todos esperavam que o United vencesse a partida nesse confronto, mesmo com a dificuldade de enfrentar um time bem entrosado com sua torcida. Basicamente, foi o que aconteceu nos 15 primeiros minutos. O Olympiacos tentando pressionar o Manchester, enquanto o time inglês tentava controlar.

A primeira “chance” veio aos 17 minutos, quando o fraco Tom Cleverley arriscou um chute sem muito perigoso. O United passou a tocar mais a bola e ameaçou ter a partida controlada, tendo 60% de posse de bola, porém sem criar nada. Enquanto isso, os gregos eram mais objetivos e chegavam com mais velocidade ao ataque. Aos 25 minutos, Hernán Pérez passou facilmente pelo Smalling no flanco esquerdo e chutou ao lado do gol.

O jogo continuou bem fraco e com raras oportunidades. Aos 35, Holebas chutou fraco para o gol. A resposta veio aos 37, quando Ashley Young cruzou a bola para a área e Roberto saiu tranquilamente. O jogo parecia encaminhado para um 0-0 amarrado, até que aos 38 minutos, o Olympiacos abriu o placar. Maniatis tentou um chute de fora da área, mas o Chory Domínguez desviou e matou o De Gea.

O Manchester tentou reagir aos 40 minutos. Após a cobrança de falta do Rooney, Manolas cabeceou perigosamente para trás, quase fazendo um gol contra. E assim terminava um melancólico 1º tempo. 1×0 para o time que arriscava mais.

Segundo tempo

No segundo tempo, os dois times vieram sem mudanças. Se os jogadores não mudaram, a postura do time também não. O United continuava sem ímpeto e o castigo veio aos 10 minutos do 2º tempo, quando Campbell, sozinho, canetou o Carrick (!) e chutou colocado, sem chances para o De Gea. 2×0 no placar para ampliar a vantagem e fazer a festa da torcida.

Aos 15 minutos, Moyes, que deve ter usado alguns entorpecentes nessa terça-feira (ALÔ UEFA), resolveu colocar Kagawa e Welbeck, nos respectivos lugares de Cleverley e

Valencia. Se o time já andava meio desorganizado, ficou totalmente. Rooney recuou para fazer dupla com o Carrick, enquanto Welbeck foi para a esquerda, Kagawa assumiu o meio e o Young deslocou-se para a direita. Sendo assim, o meio campo do time ameaçou alguma melhora, visto que pelo menos tinha alguém do lado do Carrick. Cleverley não tava valendo de nada. Ainda assim, foi muito pouco para um time que precisava, ao menos, descontar um gol para ter um jogo de volta mais tranquilo.

O Olympiacos ainda insistia e se aproveitava das falhas do time inglês. Aos 22, Olaitan fez boa jogada, mas concluiu mal. O jogo seguia frio, mesmo com o Rooney e o Kagawa tentando algumas tabelas, mas sem alguma jogada criada.

A melhor chance da partida veio aos 37, quando Smalling, em um raro momento de felicidade, recebeu livre na direita e cruzou (muito bem, diga-se de passagem) para o van Persie que estava livre, frente a frente para o Roberto e isolou. Com 43 minutos, Welbeck despontou pela esquerda e avançou em direção ao gol, jogada que acabou com finalização do van Persie em cima do goleiro. Foi a primeira finalização no gol em 88 minutos.

Assim terminou o jogo. O Olympiacos deu o melhor de si e comemorou no fim das contas. Já o United não esboçava nenhuma reação. Um breve retrato da equipe no jogo. Sem alma, impotente e sem reação. Uma derrota inesperada para a única chance virtual de título para esse fim de temporada. Embora o Moyes, o time e os torcedores já desejam pensar na próxima.

Detalhes

Escalações

Olympiacos: Roberto; Leandro Salino, Manolas, Marcano, Holebas; Maniatis, N’Dinga; Campbell (Fuster 67), Dominguez (Machado 76), Perez (Valdez 86) e Olaitan

Manchester United: De Gea; Smalling, Ferdinand, Vidic, Evra; Valencia (Welbeck 60), Carrick, Cleverley (Kagawa 61), Young; Rooney e Van Persie.

Gols

Olympiacos: Dominguez (48′) e Campbell (54′)

Cartões Amarelo

Manchester United: Evra (3′) e Ferdinand (90′)

Estatísticas

Olympiacos  x Manchester United

12 – Chutes – 7

4 – Chutes a gol – 1

39% – Posse de bola – 61%

1 – Escanteios – 4

 0 – Cartões Amarelos – 2

10 – Faltas – 10

Por Jardel Messias
www.mufcbr.com

Comentários