O Jogo

Em menos de um minuto, exatamente aos 47 segundos do primeiro tempo o Manchester City abriu o placar com Dzeko, que pegou o rebote do chute do David Silva, a bola bateu na trave e sobrou com o camisa 10 que só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes. Como já é algo normal, nos últimos derby, o City sempre pressiona o United, que sempre joga como se fosse equipe pequena. O United não conseguia chutar a bola em campo, já o City chegava ao ataque com muita facilidade e com perigo.

Aos 20 minutos, Dzeko quase marcou o segundo gol, mas parou na boa defesa do espanhol De Gea. O primeiro chute do United só aconteceu aos 21 minutos, quando Rooney chutou sem força e Hart defendeu sem perigo. A pressão e domínio do City começou a diminuir, porém o Manchester United não conseguia armar jogadas com perigo.

Na primeira chance clara de gol, aos 25 minutos, Hart defendeu o chute do Fellaini, que recebeu cruzamento do Carrick e chutou de primeira, porém chutou fraco, facilitando a defesa do goleiro inglês. O United pressionava, mas não conseguia atacar. Nas poucas vezes que conseguia atacar, não conseguia acertar o gol.

Aos 40 minutos, o United teve na finalização do Juan Mata, sua melhor chance na primeira etapa.  Rafael cruzou a bola, que passou pelo Rooney, que furou o chute, e sobrou com o espanhol chutar, porém a bola passou por cima da meta do City.

Segundo tempo

A segunda etapa começou um pouco mais equilibrada, mas com um Manchester United lento e sem criação na jogadas de ataque. O equilíbrio durou pouco e o Manchester City voltou a dominar a partida. O United Manchester United não conseguia criar jogadas, concluir os poucos ataques e não conseguia roubar a bola do City. A situação piorou quando aos 56 minutos, o bósnio Dzeko aproveitou a cobrança de escanteio e chutou de primeira para ampliar o placar.

Com dois gols de desvantagem no placar, sem poder de criação e, principalmente, sem esperança alguma, o Manchester United pouco fazia para mudar algo na partida. A partida foi ficando morna, afinal de contas o City não havia o que temer de uma equipe com comportamento de Everton. O United assustou na tentativa do Welbeck em marcar de calcanhar, aos 71 minutos, mas o hart conseguiu defender.

Com quase nenhuma criação no setor de criação e com nada de chutes e objetividade no ataque, coube a Rooney assustar em cobrança de falta aos 80 minutos. Antes da partida acabar, o City fez o terceiro gol, desta vez com Yaya Touré, Milner tentou o cruzamento, a bola bateu no Phil Jones e sobrou com o marfinense que chutou cruzado para mostrar que em time pequeno é fácil fazer gol. Que venha o Bayern de Munique com seu futebol envolvente, pois com nosso grande técnico já sabe como vencer o time bávaro, assim como perdeu para o Manchester City.

Detalhes

Escalações

Manchester United: De Gea, Rafael, Ferdinand, Jones, Evra, Carrick, Cleverley (Kagawa 46), Fellaini (Valencia 67), Mata, Welbeck (Hernandez 77) e Rooney

Manchester City: Hart, Zabaleta, Kompany, Demichelis, Clichy, Yaya Toure, Fernandinho, Nasri (Milner 74), Silva, Navas (Javi Garcia 68) e Dzeko (Negredo 80)

Gols

Manchester City: Dzeko (1′ e 56′) e Yaya Touré (90′)

Cartões Amarelo

Manchester United: Welbeck (16′) e Fellaini (30′)
Manchester City: Kompany (13′) e Fernandinho (45′)

Por Anderson dos Santos
www.mufcbr.com

Comentários