Competições

» PRÉ-JOGO

Pela quarta rodada da tradicionalíssima F.A. Cup, o United visita a única equipe da quarta divisão remanescente na competição. A equipe do Cambridge United ocupa a 12ª posição na tabela da Legaue Two e fará as de Davi contra o mais que favorito time de Manchester. Van Gaal não contará com as presenças de Young, Evans e Smalling e, provavelmente, poupará algumas peças do time principal, sem deixar de encarar o jogo com a seriedade que ele pede. Oportunidade para jovens como Januzaj e Wilson provarem seus valores no minúsculo Abbey Stadium.

» O JOGO

É indiscutível a diferença financeira e estrutural entre as duas equipes. A qualidade dos jogadores red devils favoreciam a manutenção da posse de bola, entretanto, era preciso dominar o meio campo na troca de passes, e evitar os lançamentos diretos buscando os atacantes. A equipe do Cambridge cercava a área do goleiro Dunn, o que impedia o jogo do United fluir.

No começo do jogo, a vontade dos jogadores do Cambridge, a explosão dos deslumbrados 8 mil torcedores da equipe mandante e o tamanho acanhado do Abbey Stadium ainda eram obstáculos à essa necessidade de se trocar passes no meio. Com isso, as chances ainda não apareciam e o o jogo tornava-se pouco movimentado.

A primeira chance minimamente clara do jogo só ocorreu aos 21 minutos. Após sobra de cruzamento da direita, Januzaj finalizou da entrada da área, para tranquila defesa do goleiro Dunn. Mas chance mesmo teve o Cambridge. Em escanteio ensaiado – os jogadores do Cambridge cercavam De Gea -, após um bate rebate na área, Coulson cabeceou por cima. Chance preciosa.

Enquanto isso, com dificuldades para adentrar a área do Cambridge, o United tentava arrematar de fora. Di Maria arriscou finalização da entrada da área e Dunn, com alguma dificuldade, defendeu. Até o final da primeira etapa, poucas chances de GOL. Um 0 a 0 que faltou futebol, e muito, por parte do United.

» SEGUNDO TEMPO

O segundo tempo voltou sem alterações. E o United continuou o mesmo. Sem criatividade, sem movimentação; escassez de passes trocados e excesso de lançamentos inócuos para dentro da área.

Enfim, aos 61 minutos, uma jogada trabalhada. Carrick enfiou bela bola para Falcao, dentro da área, ajeitar para a direita, bater forte e parar em grande defesa de Dunn. Nove minutos mais tarde, após lançamento de Di Maria, van Persie, que acabara de entrar, teve boa chance, porém desperdiçou e chutou por cima.

Os jogadores do Cambridge – que tanto correram para marcar na primeira etapa -, a esse ponto da partida, já pareciam exaustos, sem o mesmo ímpeto para correr atrás dos mais bem condicionados jogadores de vermelho. Com isso, ficava mais fácil para os comandados de van Gaal criar possibilidades de gol; o que não quer dizer que o time as criava.

Faltando sete para o fim do tempo regulamentar, quase o Cambridge surpreendeu. O cruzamento vindo da direita só não resultou em gol por que Jones salvou na hora certa, desviando para escanteio. Nos minutos finais, ainda houve tempo para mais um bela defesa do goleiro Dunn em arremate de Di Maria da entrada da área.

Fim de jogo. Um 0 a 0 mais que merecido. Merecimento ao Cambridge que lutou até o final para segurar um clube infinitamente maior em todas as vertentes. Merecido a um United que não fez por onde para ganhar o jogo. Agora terá de disputar o Replay em Old Trafford, e dificilmente perderá. Contudo, a partida de hoje deixou bem claro: o problema é mais embaixo.

[divide icon=”square” color=”#000000″]

Detalhes

Escalações

Cambridge United: Dunn; Tait, Taylor, Coulson, Donaldson; Champion, Hughes; Nelson, McGeehan, Kaikai( Dunk 53′), Elliott

Manchester United: De Gea; Valencia, Jones, Rojo, Blind( Shaw 86′); Carrick, Fellaini( Herrera 67′), Januzaj, Di Maria; Wilson( van Persie 67′) e Falcao

Cartões Amarelos

Cambridge United: McGeehan( 68′)
Manchester United: Fellaini( 26′) e Wilson( 64′)

Por Breno Zonta
www.mufcbr.com

Comentários