Competições

» PRÉ-JOGO

Tentando se recuperar da fraca atuação e consequente derrota para o Southampton na última rodada, em Old Trafford, o United visita a equipe do Queens Park Rangers no Loftus Road. Com o elenco basicamente inteiro à disposição – com a exceção de Young, Rafael e van Persie -, van Gaal não deve ter problemas para escalar a equipe titular. Enfrentando o 19º colocado na tabela, a vitória faz-se necessária, já que Southampton e Arsenal(hoje, os dois principais rivais na briga pela vaga à próxima UCL) têm jogos difíceis contra Newcastle e City, respectivamente, e podem perder pontos.

» O JOGO

Novamente no 3-5-2, o United persistia com muitas dificuldades para sair jogando e, quando a bola não saía dos zagueiros, os erros de passes ou inversões de jogo eram recorrentes. A transição defesa-ataque precisava de Carrick, Rooney e Mata constantemente voltando para buscar o jogo e criar jogadas de perigo.

Com 12 minutos, a primeira boa chance do United. Mata lançou na área Falcao, que dominou e bateu forte de esquerda, mas parou em Green. Na resposta do QPR, após cobrança de lateral, Zamora desviou de cabeça e Vargas tentou surpreender De Gea, mas a bola foi por cima. Na sequência, nova chance: chute cruzado de Austin parou em bela defesa de De Gea.

O United tentava trocar passes à frente da área do QPR, porém tinha dificuldades. Eram muitos erros de passe e pouca mobilidade. Isso favorecia as tentativas do QPR. Em um contra ataque do time londrino, Austin arriscou de longa distância, tentando surpreender De Gea, que estava atento e fez belíssima defesa.

E a primeira etapa terminou assim: pouca criatividade e muitos passes errados por parte do United, que enfrentava um QPR SEGURO defensivamente e ensejando apenas um contra ataque para vencer o jogo.

» SEGUNDO TEMPO

Para a segunda etapa, van Gaal sacou Mata e promoveu a entrada de Fellaini. Com isso, mais força no meio campo e a tentativa de fazê-lo dialogar mais com a defesa e o ataque. Mata estava ao mesmo tempo previsível e invisível no jogo.

Aos 55 minutos, Di Maria levou pela direita, levantou a cabeça e colocou na cabeça de Falcao, que cabeceou cruzado, contudo parou em grande defesa de Green. Em seguida, o tão esperado GOL. Rooney abriu na direita para Valencia, que cruzou para o meio e achou Fellaini. O Belga dominou, ajeitou o corpo e bateu forte no ângulo de Green. 1 a 0 United.

Com o tempo passando, o United tentava administrar o resultado e, vez ou outra, arriscava alguma investida à frente para matar o jogo. Em lindo passe de Blind, Wilson arrancou de antes do meio campo pela direita e cruzou na medida para Falcao, no entanto, o desvio na hora H da zaga do QPR evitou o que fatalmente seria o segundo GOL da partida.

Já nos descontos da partida, o cruzamento de Kranjcar deixou Taarabt na cara de De Gea que, SEGURO, defendeu mais uma. Com a partida para terminar, em contra ataque puxado por Di Maria pelo centro, o argentino serviu Wilson pela direita, o garoto arrancou, cortou para o meio e bateu forte, todavia teve de esperar o rebote para marcar o segundo do jogo. United 2 a 0, e vitória sacramentada.

[divide icon=”square” color=”#000000″]

Detalhes

Escalações

QPR: Green; Isla, Dunne (Caulker 45′), Onuoha, Hill; Vargas, Barton, Henry, Fer (Taarabt 69′); Zamora (Kranjcar 80′) e Austin

Manchester United: De Gea; Jones, Evans (Wilson 57′), Rojo; Valencia, Carrick, Rooney, Blind; Mata (Fellaini 45′); Di Maria (Herrera 93′) e Falcao

Gols

Manchester United: Fellaini (58′) eWilson (93′)

Cartões Amarelos

QPR: Barton (42′) e Hill (82′)
Manchester United: Mata (45′) e Rojo (68′)

Por Breno Zonta
www.mufcbr.com

Comentários