EspecialNotícias

Logo após os trágicos eventos de 6 de fevereiro de 1958, toda a comunidade futebolística se reuniu em luto pelos perdidos e em apoio ao Manchester United na hora mais sombria do clube.

Um dos tributos mais pungentes veio do Arsenal, nossos rivais seculares que haviam feito a oposição final em solo inglês à brilhante equipe jovem de Matt Busby, apenas cinco dias antes de seu avião cair em Munique.

Os Gunners reservaram duas páginas no programa de jogos para o próximo jogo em casa contra o Bolton Wanderers em 18 de fevereiro, para ecoar os pensamentos que estavam sendo compartilhados em todo o mundo esportivo.

Intitulado ‘Homenagem ao Manchester United’, dizia: “O desastre aéreo que atingiu o Manchester United a caminho da Iugoslávia na quinta-feira, 6 de fevereiro de 1958, é um golpe devastador para o futebol inglês. Raramente, se é que houve, um choque tão grande atingiu o esporte britânico como aconteceu com essa tragédia.”

“Jogadores famosos e personalidades esportivas conhecidas estão mortas e outras estão feridas. Essa equipe muito admirada e conhecida, conhecida como ‘Busby’s Babes’ e ‘Red Devils’ foi destruída. Sete bons atletas no início de suas carreiras foram mortos e outros dez ficaram feridos, alguns tão seriamente que levará muito tempo para sabermos se os veremos ou não em campo novamente. ”

“À medida que os dias lentamente se passaram desde aquele dia fatídico, nós do futebol e os milhões de torcedores ingleses esperamos ansiosamente as notícias sobre o técnico Matt Busby e as pessoas que estavam feridas e, com o passar do tempo, tivemos alguns pequenos consolos, neste momento trágico, com a notícia de que aqueles que sobreviveram estão lentamente ganhando espaço na sua luta pela recuperação.”

“O time do Manchester United não era apenas um time de futebol, era uma instituição que defendia tudo o que era bom no jogo, tudo o que era bom no atletismo juvenil e tudo o que era louvável no esporte britânico. Uma inspiração para todo jovem inglês. Sob a liderança de Matt Busby, cuja luta pela vida tem sido tão inspiradora quanto muitos de seus triunfos no futebol, a equipe do United adquiriu nos últimos anos o manto brilhante da maior equipe dos tempos modernos, repleta de estrelas com jovens brilhantes, jogadores, a maioria dos quais mal haviam atingido o seu auge. Para Matt, deve-se dedicar a maior parte do crédito pelas conquistas do clube desde o final da guerra.”

“Chegando a Old Trafford em 1945, onde havia pouco mais que escombros de danos causados ​​por bombas e pouco material precioso sobre o qual trabalhar, ele adotou a política que tem sido fundamental em todos os seus negócios; depender da juventude primeiro, segundo e sempre, mas ele nunca ignorou o mercado de transferências quando surgiu a necessidade de manter sua equipe na vanguarda da batalha.”

“Desde que Matt Busby se estabeleceu em Old Trafford, foi apenas uma história de sucesso após a outra. Por três anos seguidos, o United ficou em segundo lugar na Liga, depois em 4º; depois vice-campeões e, finalmente, campeões em 1952. Em 1953, em 8º e em 4º novamente um ano depois. Em 1955, eles foram o quinto e as duas últimas temporadas foram campeões. Além disso, durante o período pós-guerra, eles estiveram na final da Copa duas vezes.”

“Sempre que surge a necessidade, geralmente há um homem na equipe dos Reserves pronto e capaz de ocupar seu lugar no time principal, e vimos a equipe juvenil campeã da F.A. Youth Cup por cinco anos consecutivos.”

“O fato de um novo ‘United’ surgir dos restos despedaçados daquele time que já foi o grande time é uma certeza sobre o futuro do futebol, com a política de Busby, que provou ser cem por cento e o homem que ajudou Matt a alcançar todos esses objetivos de sucesso, Jimmy Murphy que sem dúvida continuará o bom trabalho até Matt estar em forma e bem o suficiente para assumir a direção novamente.”

“Todos os clubes deste país estarão prontos e dispostos a cooperar ao máximo para ajudar o United em seus problemas, mas é improvável que o clube aproveite as ofertas de jogadores que possam ser feitas (com talvez uma exceção isolada) pois a verdadeira resposta está no desenvolvimento de um novo conjunto de “Babes”. A eles, será dada uma oportunidade mais cedo do que se poderia esperar, mas, como membros de um grande clube, saberão o quanto depende deles e temos certeza de que eles podem confiar para dar tudo o que têm na construção de uma nova equipe campeã.”

“E assim, embora lembremos com carinho os excelentes colegas Tommy Taylor, Roger Byrne, Eddie Colman, Billy Whelan, David Pegg, Mark Jones e Geoff Bent – que perderam a vida – e todos os jogadores lesionados que estão lutando para voltar. Todos nós nos juntamos na esperança de que o tempo não fique muito distante quando Matt Busby retornar à cadeira administrativa; quando os meninos machucados voltarem a jogar de novo, e esse time – respeitado em todo o país pelo domínio de nosso grande jogo – se tornará novamente nossos oponentes mais amados e temidos. ”

O pós-escrito trágico para esse belo tributo veio três dias depois, quando a nota cautelosamente otimista sobre a recuperação dos feridos foi destruída com a notícia de que Duncan Edwards havia perdido sua batalha pela sobrevivência. Ele se juntou a seus sete companheiros de equipe entre os lamentados pelo mundo do futebol.

Traduzido de manutd.com de Ian McLeish.

Comentários