Competições

» PRÉ-JOGO

Chelsea passeia em casa e goleia sem tomar conhecimento o Manchester United pelo placar de 4×0 e embala o oitavo jogo sem derrota no confronto entre as duas equipes. Mourinho (de volta ao Stamford Bridge no jogo de hoje) viu sua equipe depois da derrota de hoje, amargar um aproveitamento inferior na Premier League em relação a equipe que era comandada por Louis van Gaal e além disso, tomou 12 gols em 9 jogos e é o time que menos corre entre os 20 participantes do campeonato nacional. Isso sem contar que já está a 6 pontos dos lideres e a 7 da zona do rebaixamento, o que ressalva ainda mais o início medíocre que vem fazendo o luso no comando do United.

» O JOGO

Eram 31 segundos e o placar já marcava 1×0 para os Blues. Após uma falha grave de Blind, Pedro (que deitou e rolou em cima do holandês durante todo o jogo) se aproveitou da bobeira e abriu o marcador fazendo com que o gol se tornasse o mais rápido dessa edição da Premier League.

Após o gol relâmpago, o Chelsea era melhor na partida, com 67% da posse de bola e tinha o controle do jogo, mas o United não havia acusado o golpe e esboçava uma tentativa de tentar equilibrar a partida e chegar ao gol de empate o mais rapidamente possível.

A expectativa de empatar o jogo durou pouco. Com metade do primeiro tempo jogado, o Chelsea chega ao segundo gol após uma bola aérea vinda de um escanteio que sobrou para Cahill livre na pequena área encher o pé para as redes de De Gea (a bola ainda bateu nas costas de Blind que estava em cima da linha no momento do chute).

Visivelmente era um United “desconfortável” por ter que propor o jogo, pelo fato de que o Chelsea após o segundo gol, deu a bola para os Red Devils e explorava os contra-ataques e além disso, certamente a estratégia colocada por Mourinho no vestiário era fazer uma partida similar com a partida feita contra o Liverpool, porém, o gol com 31 segundos jogou tudo isso por água abaixo.

» SEGUNDO TEMPO

O segundo tempo iniciou melhor para os Red Devils, com a alteração feita por Mourinho no intervalo (Mata no lugar de Fellaini), o time aumentou a posse de bola, obteve mais criatividade no meio de campo e chegou mais vezes ao gol do Chelsea, mas com arremates que não levavam muito perigo ao gol do time da casa.

Com 15 minutos do segundo tempo, o United tinha 71% de posse de bola, jogava no campo de ataque do Chelsea e tinha como o seu melhor jogador da partida, o garoto Rashford, que participava tanto do momento defensivo pelo lado quanto no ofensivo, participando bastante das jogadas de ataque e fazendo o famoso box-to-box (trabalhando pelo lado de uma área à outra).

Mas tudo isso se perdeu em um espaço de 10 minutos. Com 17 minutos, Hazard mandou para as redes e aos 25, em jogada individual do volante Kanté, que tirou toda a zaga do United da jogada e marcou um belíssimo gol em Stamford Bridge, fechando o placar da partida em 4×0.

O final do jogo seguiu com o United tentando descontar e diminuir o vexame, sendo superior no número de posse de bola e chutes a gol, mas de forma totalmente desordenada, sem padrão de jogo, com um visível abatimento por parte dos jogadores e essa atuação pífia preocupa bastante a torcida para o resto da temporada, que mesmo goleando no meio de semana, não apresentou bom futebol.

Detalhes

Escalações

Chelsea: Courtois; Azpilicueta, David Luiz, Cahill (c); Moses, Kante, Matic, Alonso; Pedro (Chalobah 71′), Diego Costa (Batshuayi 78′), Hazard (Willian 78′).

Manchester United: De Gea; Valencia, Smalling (c), Bailly (Rojo 52′), Blind; Fellaini (Mata 46′), Herrera; Rashford, Pogba, Lingard (Martial 65′); Ibrahimovic.

Gols

Chelsea: Pedro (1′), Cahill (22′), Hazard (62′), Kante (70′).

Cartões Amarelos

Chelsea: David Luiz, Pedro, Alonso.

Manchester United: Bailly, Pogba.

Comentários