Competições

» PRÉ-JOGO

Em Old Trafford, o Manchester United irá encontrar seu maior desafio pela Premier League até então. A equipe de Louis Van Gaal recebe o Chelsea na tentativa de quebrar a invencibilidade dos blues na competição- 8 jogos, 7 vitorias e apenas um empate- e encostar nos quatro primeiros colocados. Os Red Devils seguem sem seu capitão Wayne Rooney, suspenso; Falcao sentiu durante os treinamentos e é dúvida. Do lado azul, Loïc Remy e Cesar Azpilicueta- também suspenso no último jogo- estão fora; Diego Costa, Ramires e Obi Mikel “têm uma pequena chance de jogar”, garantiu Mourinho.

» O JOGO

O jogo era grande. Logo no começo, a aposta era na marcação forte e na redução dos espaços visando a limitação da criatividade que os meias das duas equipes possuem. Com o meio congestionado, os laterais eram repetidamente acionados, o que exigia a volta dos meias na marcação. Assim saiu a primeira jogada do United em finalização cruzada de Di Maria por cima da meta de Courtois.

O Chelsea também apostava no jogo aéreo e a posse de bola era equilibrada; o Manchester tentava contra atacar em profundidade, principalmente pelas laterais e dificultava a troca de passes dos Blues, com Fellaini exercendo importante função cercando Fabregas e ocupando o meio campo. Aos 22, a melhor chance do jogo até então: linda enfiada de Januzaj para Van Persie que parou em boa saída do goleiro do Chelsea.

Era muita disputa e poucas chances claras de gol; um time tentava anular o outro e aproveitar um remoto vacilo defensivo. Com 33 minutos, saída errada de Rojo e Smalling salvou no mano a mano com Willian o que poderia ser gol certo do Chelsea. O jogo aéreo da equipe de Londres começava a preocupar a defesa e o torcedor do United.

Com cinco minutos para o fim do tempo regulamentar, nova bobeada de Rojo e Drogba só não abriu o placar porque De Gea fez grande defesa. Em resposta, Januzaj arrancou pela esquerda e arrematou forte, levando perigo ao gol de Courtois. Logo em seguida, em cobrança de falta ensaiada, Di Maria rolou para a entrada da área e Mata jogou por cima, sem perigo. A primeira etapa, embora com muita disputa e movimentação, terminou sem gols.

» SEGUNDO TEMPO

Na volta para a etapa final, a equipe visitante tentou dificultar a saída de bola do Manchester e por pouco não levou perigo. Aos 51, Fellaini quase marcou em finalização de fora da área, mas a bola passou perto do ângulo de Courtois. Dois minutos mais tarde, depois de De Gea fazer milagre em chute cara a cara com Hazard, em escanteio, Drogba subiu sozinho e cabeceou forte para abrir o placar para os Blues em Old Trafford.

O United sentiu o gol, errava passes e o Chelsea, na dele, tocava a bola e cozinhava o resultado. Mais tarde, Willian arriscou de fora da área e novamente parou em De Gea. O Chelsea tentava manter o controle do jogo, mas abusava das faltas e, com 65 minutos, já tinha cinco jogadores amarelados. Até pensando nisso Mourinho sacou Oscar- um desses amarelados-, para a entrada de Mikel, que volta de lesão. Van Gaal respondeu com a entrada de Wilson no lugar de Mata. O técnico holandês apostava no garoto para auxiliar van Persie mais à frente.

O Manchester não conseguia criar chances reais que preocupassem a defesa adversária. O Chelsea sim. Aos 68, Ivanovic fez linda jogada pela direita, costurou a defesa do United e bateu cruzado levando muito perigo a De Gea. Mourinho recuou o time, postando-o inteiro frente ao gol de Courtois. Era preciso mais movimentação e criatividade, escassas até então. Perto dos 80 minutos, três chances dos donos da casa: em chute cruzado de van Persie, defendido pelo goleiro do Chelsea; em arremate cruzado de Januzaj rente ao gol do time londrino; em cabeceio de Wilson por cima da trave. O time criava mais e o empate era cada vez mais suficiente.

Faltando cinco para acabar, o United se lançou inteiro a frente. A pressão seria intensa à medida que o time precisava do gol. O Chelsea em contrapartida, para manter o resultado, faltando tão pouco tempo, abusava das faltas e dos cartões. O Manchester jogava na área, tentava uma bola sobrada e, eventualmente, arriscava de longa distância. Aos 93, em nova falta dura cometida pelo Chelsea, Ivanovic acertou forte Di Maria e foi expulso. Algo estava previsto. Na falta que originou a expulsão, Di Maria levantou para a área, Fellaini cabeceou e, no rebote de Courtois, van Persie estufa o gol em Old Trafford. A torcida explodiu o Teatro dos Sonhos.

Merecido. O gol concretizou um jogo de muita estratégia, marcação e luta. As duas equipes saem de Old Trafford com um empate emocionante em um grande jogo. Para o United, devido às circunstâncias do jogo, um ótimo resultado. Para o Chelsea, apesar do gol no final, também um ótimo resultado visto a derrota do City no sábado. A equipe londrina ainda é líder isolada da Premier League.

[divide icon=”square”]

Detalhes

Escalações

Manchester United:  De Gea; Rafael, Rojo, Smalling, Shaw; Blind, Fellaini; Januzaj, Mata (Wilson 68), Di Maria e van Persie

Chelsea: Courtois; Ivanovic, Cahill, Terry, Luis; Matic, Fabregas; Willian (Zouma 90), Oscar (Mikel 68), Hazard (Schurrle 88) wDrogba.

Gols

Manchester United: van Persie (94′)
Chelsea: Drogba ( 52′)

Cartões Amarelos

Manchester United: Rafael (12′), Fellaini (76′) e van Persie (95′)
Chelsea: Drogba (21′), Matic(39′), Fabregas (49′), Oscar (61′), Ivanovic (64′ e 93′) e Hazard(87′)

Cartões Vermelhos

Chelsea: Ivanovic (93′)

Por Breno Zonta
www.mufcbr.com

Comentários